E a minha alma alegra-se com seu sorriso, um sorriso amplo e humano, como o aplauso de uma multidão...{Fernando Pessoa}

Se refletem no meu Espelho...

Kissing...


Nós poderíamos voar
Você e eu
Em uma nuvem
Beijando


O vento brinca com as folhas

O tempo fica mais frio
Mas contanto que nós acreditamos
O amor não envelhece


Em uma viagem do coração

Há muito para ver
E quando o céu está escuro
Você estará exatamente aqui
Exatamente aqui comigo beijando


Valorize...

Acordamos muito cansados, lemos muito pouco, 
assistimos TV demais e rezamos raramente.
Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. 
Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. 
Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; 
adicionamos anos à nossa vida 
e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar 
rua e encontrar um novo vizinho. 
Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.
Limpamos o ar, mas poluímos a alma; 
dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; 
escrevemos mais, mas aprendemos menos; 
planejamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.
Construímos mais computadores para armazenar 
mais informação, produzir mais cópias do que nunca, 
mas nos comunicamos menos.
Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; 
do homem grande de caráter pequeno; 
lucros acentuados e relações vazias.
Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, 
casas chiques e lares despedaçados.
Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, 
das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas "mágicas".
Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.
Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir 
essa reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.
Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, 
pois elas não estarão por aqui para sempre. 
Por isso, valorize o que você tem e 
as pessoas que estão ao seu lado...

Cace a liberdade...

Cace a liberdade que anda tão rara, 
liberdade de pensamento, de atitudes, 
vá ao encontro de tudo que não tem regras, patrulha, horários. 
Cace o amanhã, o novo, o que ainda não foi 
contaminado por críticas, modismos, conceitos, 
vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, 
o que lhe provoca prazer de olhar, sentir, sorver. 
Entre numa galeria de arte. 
Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. 
Olhe para sua cidade com olhos de estrangeiro, 
como se você fosse um turista. 
Abra portas. 
E páginas...

Em sua alma...


Seja você mesmo. Especialmente, não finja afeição. 
Também não seja cínico com o amor; pois na frente de toda aridez 
e desencanto é tão perene como a grama. 
Aceite bondosamente o conselho dos anos, 
ceda com dignidade às coisas da juventude. 
Alimente a força do espírito para ser proteção no repentino azar. 
Porém não se angustie com imaginações escuras. 
Muitos temores nascem da fatiga e a solidão. 
Além da disciplina saudável, seja gentil com você mesmo. 
Você é uma criança do universo, não menos que as árvores 
e as estrelas; você tem o direito de estar aqui. 
Embora para você seja claro ou não, sem dúvida o 
universo se desenrola como deve. 
Portanto, esteja em paz com Deus, como seja que você o 
conceba, e sejam qualquer  os trabalhos e aspirações, 
na barulhenta confusão da vida mantenha a paz em sua alma. 
Além de toda sua farsa e tédio e sonhos partidos, ainda é um mundo bonito. 
Seja alegre, batalhe por ser feliz ( E SEJA ) ...

A natureza alivia...


Enquanto ainda há disto, pensei, um sol tão brilhante, 
um céu sem nuvens e tão azul, e enquanto me é dado ver e 
viver tamanha beleza, não devo estar triste. 
Para qualquer pessoa que se sinta só ou infeliz, 
ou que esteja preocupada, o melhor remédio é sair para o ar livre, 
ir para qualquer parte, onde possa estar só com o céu e com a natureza. 
Então compreende que devemos ser felizes no meio da vida, simples e bela. 
Enquanto assim for, sei que há uma consolação 
para todas as dores e em todas as circunstâncias. 
Creio que a natureza alivia os sofrimentos...

Deixar ir embora...

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, 
nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. 
As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar 
que elas realmente possam ir embora. 
 Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja) destruir recordações, 
mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, 
vender ou doar os livros que tem. 
Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, 
do que está acontecendo em nosso coração. 
 E o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir 
espaço para que outras tomem o seu lugar. 
Deixar ir embora. 
Soltar. 
Desprender-se. 
Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. 

Sim definitivo...

Quero nascer de novo em cada dia que nasce.
Quero lavar-me, cada manhã, do homem velho,
da poeira velha, das palavras gastas, dos gestos rituais.
Quero que cada manhã, a alma desabroche do sono
como a rosa do botão, e surja como a aurora do oceano,
ao sorriso dos teus lábios, ao gesto de tua mão.
Quero me engrinaldar para a festa renovada 
com que cada dia nos convida.
Quero crer, a cada nova aurora, 
que esta é a definitiva,
a do encontro com a felicidade, 
a da permanência assegurada,
a de teu sim definitivo...

Tudo intensamente




O meio termo já não me satisfaz.
Nem pessoas máximas vazias,
nem as ínfimas cheias de mais.
Se por isso me sentencias,
se não me compreendes mais
digo-te novamente:
É a essência que busco!
Um coração cheio de gente
e não gente cheia de razão.
Quero a carne o osso, a alma
quero tudo intensamente.
Quero dessa louca vida calma
desde o fruto até a semente...

Ser forte é...

Não tranque seus medos dentro de você, 
pode até parecer que está tudo sobre controle, 
mas basta apenas abrir uma brecha que tudo 
que você teme ver virá a tona. 
Ser forte é abrir a janela e deixar o que seja vir. 
O enfrentamento é o reflexo dos que almejam crescimento..

Do teu corpo...


Pouco a pouco eu me transporto
Pela porta do teu corpo
Pra esse outro mundo que eu conheço 
Dos deuses de carne e osso
Eu conheço esse outro mundo
Esse eterno mundo em transe
Te amo tanto e tanto e tanto
Não sei mais quem já fui antes

Tantos outros mundos
Tanto pra nós dois
Entre tantos mundos
Entre e deixe o mundo pra depois..

Ps.: Post inspirado por este blog que é show: http://maisumavezsentimento.blogspot.com.br/

Part of the list...


E você vive em minhas memórias
Para sempre, eu juro
E você vive em minhas memórias
Para sempre, eu juro

É tudo parte da lista
Coisas que sinto falta
Coisas como seu divertido gargalhar
Ou seu jeito de sorrir ou do 
jeito que nos beijamos

O que eu reparo é que
Eu sempre descubro
Algo novo
Toda vez em que me sento e relembro


Não serás?...

Introduziu-se nas nossas mentes essa ideia nova 
de que se não consomes não és nada. 
Se não consomes, tu não serás ninguém. 
E serás tanto mais quanto mais fores capaz de consumir. 
A partir do momento em que o ser humano 
se vê a si mesmo como um consumidor, 
todas as suas capacidades diminuem, 
porque todas vão ser postas ao serviço 
de uma maior possibilidade de consumir...

Amar pra sempre...

Só ama aquele de coração bom, aquele que gosta de dar, 
que ainda sorri largo e franzindo os ombros tipo criança. 
Ama só quem merece, quem procura e sabe que achou, 
quem não vê amar como uma coisa sublime e extraordinária, 
quem sabe o amor ao alcance das mãos, 
da boca, das costas, da nuca, dos pés. 
Ama quem provoca os olhos, as vontades, o sabor do outro. 
Porque amar é isso. Normal.
Amar é sofrer choque térmico quando chega a hora de dar tchau, 
é implicar com o jeito do outro, brigar no meio da rua, 
pegar na mão e fazer as pazes ali mesmo. 
Amar é brincar de briguinha, é dizer que vai amar pra sempre...

Movimentos do amor...

Digo que sins pra fazer afagos, 
é meu jeito de te abraçar com o olhar. 
Encurtar todas as distâncias entre nós. 
Dentro de mim há muitos lugares longe e 
uma vontade enorme de avançar. 
Uns demonstram amor de um jeito lindo. 
Eu não. 
Eu só consigo fazer afagos. 
E abraçar teu amor com o sorriso, com os olhos, com a voz, 
com o cheiro, com o corpo todo e até a alma. 
A gente não se aproximou pelas vontades, não. 
Fomos conduzidos no escuro pelo som da nossa voz. 
Amar é ser guiado no escuro por um cheiro. 
O amor vai movimentando a gente. 
A gente movimenta o amor. 
A gente não vive de amor, 
a gente nada nele...

Não se pode...

Uma desilusão sacode os vidros das minhas janelas 
e me lembram que não posso abraçar o mundo, 
não posso levar quem eu gosto nas costas. 
As pessoas precisam, sim, aprender sozinhas. 
A gente pode aprender pelo amor ou pela dor. 
E eu insisto: para crescer tem que doer. 
A gente precisa sentir aquele gosto 
amargo na boca para amadurecer. 
A gente precisa ralar o joelho, 
tropeçar no sonho, estragar toda a maquiagem, 
torcer o pé, ficar cheio de hematomas para valorizar 
o que efetivamente tem valor. 
E o que, afinal, tem valor? 
Essa resposta só você pode dar para você mesmo. 
De preferência, quando estiver a sós com suas muitas faces...

Não sabemos de nada...

Não sabemos de nada até que chegue a nossa vez. 
 A gente não sabe do que o nosso amor é capaz, 
 o que a nossa natureza nos reserva, o poder da 
nossa desobediência ou subordinação. 
 A gente não pode prever nossa reação diante 
do susto, da paixão, da fome, do medo...

Na sua memória...

Leve na sua memória para o resto de sua vida, 
as coisas boas que surgiram no meio das dificuldades. 
Elas serão uma prova de sua 
capacidade em vencer as provas e 
lhe darão confiança na presença divina, 
que nos auxilia em qualquer situação, 
em qualquer tempo, diante de qualquer obstáculo...


Partilhe seu SER...

Partilhe seu ser, se você não tiver nada; 
essa é a maior riqueza - todos nascem com ela. 
Partilhe seu ser! 
Estenda sua mão, dirija-se ao outro com amor no coração. 
Não considere ninguém como um estranho. 
Ninguém o é; ou todos são.
Se você partilha, ninguém é; 
se não partilha, todos são...


Tua sabedoria...

Você pode ter as melhores instruções 
do mundo e seguir uma vida tranquila, 
mas você só conhecerá a tua força e a tua sabedoria 
quando fores submetido a dor, ao sofrimento.
A dor é uma mestra cruel. 
Ela cega, revolta, magoa, fere 
no mais íntimo de teu espírito, 
mas se conseguires vencer a escuridão da dor, 
resplandecerá em ti a luz de uma pessoa vitoriosa, 
dona de uma felicidade calma e 
ao mesmo tempo contagiante, típica das pessoas que 
já conhecem bem este mundo.
Mas o sofrimento não acabará. 
O mundo continuará tendo sua natureza 
fascinante, linda, amarga e cruel. 
E não faltarão forças que tentarão te colocar de joelhos 
a diferença é que neste momento, você não cairá mais. 
Você terá vencido a dor, e agora 
apenas a paz e  a felicidade te esperarão... 
(mesmo ainda doendo em alguns momentos da sua caminhada).

Design da personalidade...

Virtude é a beleza de uma pessoa. 
É o que a torna adorável e única.
É a cor, a forma, o design da personalidade.
Sua mais pura expressão é revelada 
no olhar, no agir, no falar.
Tudo aquilo que estiver próximo a ela 
estará preenchido de qualidade.
A virtude brilha de dentro para fora 
tocando tudo que encontra:
as células, o corpo, o meio ambiente, a fibra do planeta.
Preenche o que está vazio, cura o que está 
doente, acomoda o que perturba...

Essências do meu EU...

Eu coleciono livros da mesma forma 
que minhas amigas compram bolsas de grife. 
Ás vezes, só gosto de saber que tenho 
e lê-los de fato não vem ao caso. 
Não que eu não termine lendo-os todos, um por um. 
Eu os leio. 
Mas o mero ato de comprá-los me deixa alegre, 
o mundo é mais promissor, mais satisfatório.
É difícil explicar, mas eu me sinto, 
de alguma forma, mais otimista. 
A totalidade do ato simplesmente me faz feliz...



Perante a vida...

...E você aprende que, realmente
tudo pode suportar; 
que realmente é forte e que 
pode ir muito mais longe 
mesmo após ter pensado não ser capaz. 
E que realmente a vida tem seu valor, e, 
você, o seu próprio e inquestionável 
valor perante a vida...

O AMOR acaba...


Diferente do que muitos poetas dizem, o amor acaba. 
Sim, ele acaba se não for cultivado e cuidado. 
Então, cultive-o, mas o cultive na pessoa certa, 
em quem você deseja ter por perto. 
Sempre fique atenta aos sinais do coração, 
são eles que te guiam pra felicidade, 
e se você fugir deles, você se perderá. 
Então leve quem você ama hoje, 
e tente fazer desse caminho a estrada certa...

Livre arbítrio...



Estranho, mas é sempre como se houvesse por trás do livre-arbítrio 
um roteiro fixo, predeterminado, que não pode ser violado. 
Um roteiro interno que nos diz exatamente o que devemos ou não fazer, 
e obedecemos sempre, mesmo que nos empurre para 
aquilo que será aparentemente o pior...
 O “pior” às vezes é justamente o que deveria ser feito?...

O que BASTA...

Ah dia! 
Clareia meus pensamentos mais nebulosos. 
Refaz a minha esperança perdida. 
Sustenta o meu ombro cansado. 
Reduz meus atropelos. 
Arruma meus erros.
 Alimenta minhas certezas. 
Multiplica minha coragem. 
Abastece meu repertório de alegrias. 
Seca as minhas lágrimas. 
Respeita a minha saudade e afaga meu silêncio. 
Só o que me basta... 


CelebrAÇÃO...

 
Celebro a ação de não competir com ninguém, 
pois tenho tudo o que preciso e saber que 
o que tenho foi conquistado por mim. 
Celebro, diariamente, a ação de ter criatividade,  
de criar atividades que me tirem da estagnação espiritual, emocional, pessoal. 
Celebro a ação de renovar meus valores para que eles sejam justos. 
Celebro a ação de não ocupar meu coração com desesperança e preconceitos 
ou coisas que aprisionem minha alma na limitAÇÃO.
Celebro a ação de me importar primeiro com as pessoas, depois com as coisas. 
Celebro a ação de ser profunda nos meus devaneios, 
celebro a ação de ser superficial em alguns desejos 
e poder me permitir ou rir deles. 
Celebro a ação de mudar de ideia, de certeza, de narrativa, 
de estado de espírito, de aparência, de preferências, de vida!
CelebrAÇÃO não é lamentAÇÃO, por isso, celebro...

Imóvel no movimento...

Queria te guardar imóvel no movimento. 
No movimento das suas mãos me dedilhando as costas, 
o movimento dos seus lábios tatuando a nuca, 
o movimento que timbra o vento nos seus cabelos, 
o silêncio do mundo no seu piscar de olhos, 
o mover sua sobrancelha que formavam ondas perfeitas na sua testa, 
seus dedos que tocavam Chico na minha cintura, 
sua voz em movimento era como um chamado de algum lugar. 
Eu não queria mais voltar...


Olhando-nos de longe...


Temos que descansar temporariamente de nós, 
olhando-nos de longe e de cima e, 
de uma distância artística, rindo sobre 
nós ou chorando sobre nós: 
temos de descobrir o herói, assim como o parvo, 
que reside em nossa paixão pelo conhecimento, 
temos de alegrar-nos vez por outra com nossa tolice, 
para podermos continuar alegres com nossa sabedoria..

Há os que...

Há os que vivem, há os que apenas experimentam.
Há os que gargalham, mas a dúvida corrói a sua alma. 
Há os que amam por inteiro e há os que amam 
pela metade, estes, passam pela vida. 
Há ainda aqueles que não tem coragem de mudar o 
que todo dia, a vida lhes propõe mudanças.  
Acreditem mudar significa se permitir ao novo, sem amarras. 
O que importa é sentir-se bem e fazer o bem. 
Para aqueles que não sabem aproveitar nada do que a 
vida lhes oferece de bom: desejo amor e muita sorte..

O nosso melhor...

Depois de um tempo, quando a sensibilidade incide, 
o nosso entusiasmo se volta para dentro. 
Porque o nosso melhor se movimenta. 
Depois de um tempo, quando tudo se reinventa dentro da gente, 
você percebe que tudo o que é muito simples e pequeno, 
tem uma beleza muito caprichosa. 
Por isso que ficamos maiores quando perseveramos. 
Por que, no final, a resposta é 
sempre o amor de Deus nos alargando. 
É sempre a nossa capacidade de amar de novo que vem à tona. 
Porque depois de um tempo, a gente quase 
não precisa justificar a sorte com o acaso. 
A gente quase não precisa de sorte...


Religião de afeto...

Uma religião de afeto, um encontro com a vontade de ser. 
Uma mão estendida no meio da tempestade. 
A paz é escolha de quem se recolhe 
pra acolher em passos leves. 
Só mostra a explosão no arrepio do corpo. 
Essa forma de sentir sem toque. 
Essa sensação de que se a vida terminar hoje, 
amanhã tudo continua como antes. 
Finge ser criança no meio da guerra e aprende que
quem tem a alma nos olhos e o 
coração na mão, sempre encontra uma saída.


Pétalas de mim...

Pétala a pétala 
a vida vai se desvendando no meu jardim.
Algumas vezes, dá de cair tristezas, 
um mal-me-quer aqui, outro ali. 
Noutras, meus olhos têm de se acostumar às surpresas 
de um bem-me-quer sem fim. 
Eu, que sou raiz, recebo com serenidade o vento 
que faz tempestade de desprendimento 
e leva, uma a uma, as pétalas de mim.


Solidão é...

A maior solidão é a do ser que não ama. 
A maior solidão é a do ser que se ausenta, 
que se defende, que se fecha, que se recusa 
a participar da vida humana. 
A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, 
no absoluto de si mesmo, e que não dá a quem pede o que 
ele pode dar de amor, de amizade, de socorro. 
O maior solitário é o que tem medo de amar, 
o que tem medo de ferir e de ferir-se, o ser 
casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. 
Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo
 entristece também tudo em torno. 
Ele é angústia do mundo que o reflete. 
Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção, 
as que são o patrimônio de todos, e, 
encerrado em seu duro privilégio, 
semeia pedras do alto da sua fria e desolada torre...



Olhar com a ALMA...

As vezes ouvindo e observando algumas pessoas, 
percebo como elas se rotulam de 
"velhas" por conta da tal idade cronológica.
Velho é quem desistiu de sentir, 
de se emocionar, de sorrir, chorar, mudar, de arriscar,
de VIVER, de OLHAR com a ALMA, as coisas que 
acontecem dentro e fora dele próprio.
Olhar e se emocionar diante da naturalidade de uma criança sorrindo.
Olhar um pôr do sol e sentir "ele" gritando na sua perfeição, 
que mesmo diante de nossas incredulidades,
Deus existe e é presente todos os dias na nossa vida-mundo.
Olhar o mar, refletindo perante a imensidão dele e do que ele nos ensina:
mesmo com tempestades e mudanças, 
que formam ondas  gigantescas que nos engolem as vezes,
iremos superar e colher o que plantamos. 
Como o vai e vem das ondas, que independente do que se jogar nelas, 
mesmo que leve um tempo maior,voltará para (sua) praia para ser colhido.        
Não seja velho, não envelheça na alma e em espírito. 
Apenas amadureça e mude de idade.
Porque a vida e o tempo não nos tornam velhos, 
mas sim sábios e com maturidade para aprendermos 
cada lição que ela nos oferta, enquanto a idade cronológica muda...
Se preocupe com as rugas das almas mais do que 
com as rugas da face, pois as da alma mostram 
que você não viveu apenas na superfície e a margem da vida.